Vacina 2ª Dose

Vacina 2ª Dose

terça-feira, 19 de março de 2013

Vereador do Mojuí se passa por estudante para presidir UMES

Que a representação estudantil de Santarém apenas tira carteiras de meia entrada, todos sabem. O que muitos não têm conhecimento, no entanto, é de quem está à frente dessas entidades que faturam milhares de reais por ano, dinheiro que deveria ser revestido em benefícios aos mais de 60 mil estudantes da cidade. O que como todos podem ver, não acontece. O curioso é que uma dessas entidades, em especial, a União dos Estudantes de Santarém (UMES) tem com presidente o vereador do município de Mojuí dos Campos Izaílton de Sousa (PSDC), também sócio proprietário da empresa madeireira Dinízia Trading

O que leitor deve estar se questionando é o que um parlamentar, dono de uma das maiores madeireiras da cidade que não é estudante de ensino médio faz como presidente da UMES? Intrigante, pois, para ocupar este cargo de representatividade estudantil o nobre vereador deveria ser devidamente matriculado em um colégio estadual de Santarém. E o estatuto da UMES, que é padronizado nacionalmente, não permite tal condição. 

O vereador Izaílton é irmão do também vereador Francisco de Sousa mais conhecido como Chiquinho da UMES (PSDB), um dos principais representantes do governo Alexandre Von na Câmara Municipal. 


A UMES assim como todas as associações de estudantes em pleno funcionamento tem a função de vender cada carteira de meia entrada pelo valor de R$ 10,00. Principalmente neste período de volta às aulas, a arrecadação da união estudantil é imensa. E não se vê pela cidade nenhuma ação ou projeto desenvolvido pela UMES. O que é, no mínimo, passível de questionamento.

Em funcionamento, além da UMES, mais duas entidades atuam em Santarém, a Associação dos Estudantes Secundaristas de Santarém (AES) e a União dos Estudantes de Ensino Superior de Santarém (UES), que como defensoras da classe podem intervir neste caso e também tornar mais transparente as prestações de serviço dessas associações que não devem se restringir em ‘vender’ carteiras de meia cultural. Cabe também a 7 ª Vara da Infância e da Juventude, representada pela juíza Joseneide Gadelha, apurar a gestão dos recursos aplicados em todas essas associações.

Denúncia feita por um estudante universitário, via contato do blog. (santaremoficial@gmail.com)

Nenhum comentário:

Postar um comentário