Vacina 2ª Dose

Vacina 2ª Dose

sexta-feira, 1 de junho de 2012

Policiais tem dificuldades em realizar Operação Sentinela

Os policiais federais, que trabalham na Operação Sentinela, juntamente com policiais militares da Força Nacional de Segurança, em Óbidos, oeste do Pará, encontram dificuldades para realizar o trabalho. Eles não possuem transportes adequados nem locações apropriadas para exercerem a função.

Os policiais não possuem base nem embarcação para patrulhar os rios, tendo que utilizar barcos de passageiros. Um barco de passeio e uma lancha que deveriam ser utilizados no trabalho de combate ao crime estão num terreno que não pertence à Polícia Federal. Antes de serem levados para este local, os barcos estavam à beira do rio, correndo o risco de afundar.
A Polícia Federal havia alugado uma casa que serviria de base para a Operação Sentinela, com um custo de R$1 400, mas o imóvel está fechado há oito meses.

A Base Candirú foi desativada, em 2009, após uma inspeção da Marinha, por falta de condições de flutuabilidade e por apresentar condições insalubres de trabalho. A companhia Docas do Pará cedeu à Polícia Federal metade de um galpão para que fosse reformado e se tornasse a base de combate ao tráfico de drogas naquela região. Em 2010, a Superintendência de Logística da Polícia Federal no Pará fez uma licitação para reformar as novas instalações da Base Candirú, com serviços de infraestrutura elétrica, civil e lógica. Dois anos depois, o prédio está alagado, devido à cheia do Rio Amazonas. O projeto foi orçado em R$ 358 226,30, sendo que a empresa contratada praticamente não iniciou a obra.

O relatório elaborado por um fiscal da obra, indicado pela própria PF, aponta irregularidades e pendências relativas à documentação e não apresentação da licença que deveria ter sido expedida pela prefeitura. A empresa, no entanto, teria informado que concluiu 40% do trabalho.

Diante da confusão, a PF no Pará encerrou o contrato por falta de cumprimento dos pontos estabelecidos e devolveu os recursos destinados à obra para o governo.

A Operação Sentinela iniciou na região em 2010, tendo como meta combater o tráfico de drogas que é feito pelo Rio Amazonas, em que os entorpecentes são trazidos de outros países. A Operação foi paralisada pelo governo federal no mês de março de 2011 por causa da retenção de gastos, mas retornou em abril do mesmo ano.

O caso da Base Candiru será levado à Comissão da Amazônia que, nas próximas semanas, deve realizar audiência pública para tratar do combate ao tráfico de drogas na região. Um documento com fotos e as informações sobre o caso também foram encaminhados ao ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo. 



Fonte: Notapajos

Nenhum comentário:

Postar um comentário