Vacina 2ª Dose

Vacina 2ª Dose

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

Advogado acusado de enganar clientes

Uma denúncia feita contra um advogado de Santarém motivou a Subseção da OAB de Santarém, a proceder abertura de processo ético disciplinar contra o profissional jurídico Wlandre Gomes Leal, inscrito na Ordem dos Advogados do Pará sob o número 13.836. Os autores da denúncia são o agricultor aposentado Ernon Brait e sua esposa Ivanir Terezinha Luts Brait, da comunidade São Jorge, em Santarém.

Segundo a narração do casal de colonos, no ano de 2009 o senhor Ernon Brait descobriu um empréstimo fantasma feito em nome de sua esposa Ivanir Terezinha, junto ao Banco do Estado do Pará. Diante da irregularidade, foi constituído o advogado Wlandre Gomes Leal para resolver a questão.  

“O problema é que assim que o Banco Banpará constatou o erro, ressarciu a irregularidade que havia sido praticada, mas o advogado embolsou o dinheiro”, revelou o senhor Ernon Brait, em nossa redação. Ao lado da esposa, o aposentado contou que no ano de 2010, o advogado Wlandre Gomes Leal sacou o dinheiro, conforme comprovante bancário, datado de 14 de abril de 2010, apresentado em nossa redação. “Mas esse dinheiro ele nunca passou prá gente”, disse Ernon Brait.

O advogado teria sacado o valor de R$ 18.673,03, pago pelo Banpará ao Dr. Wlandre Gomes Leal, então, procurador de Ivanir Teresinha Luts Brait, em nome de quem teria sido feito o empréstimo. “Ele só nos repassou 600 reais”, revelou Ernon Brait. “Mais tarde, depois que foi pressionado, ele (o advogado), nos deu mais 2 mil reais”, falou o aposentado.

O senhor Ernon Brait disse que depois que foi lesado pelo advogado Wlandre Leal, procurou ajuda de outros advogados, mas esta tentativa foi em vão.

Enquanto isso, foram feitos diversos acordos entre o casal de aposentados e o Dr. Wlandre Leal. “Acordos assinados. Inclusive ele deu para nós um carro garantindo a conta, mas o carro de marca Fiat Palio, de placas 9983, não era dele”, revelou o agricultor.

Segundo a denúncia feita na OAB Subseção Santarém, a Sra. Ivanir Terezinha “obrigou-se a ficar em posse do veículo, e ao constatar que o veículo estava alienado, efetuou a devolução do veiculo via um novo advogado constituído, Dr. Cristiano Batista”, reza o documento oficial, para em seguida constatar: “Após a devolução do carro, via novo advogado, foi celebrado um acordo para           que os valores fossem pagos na forma de parcelas, afirmando que não foi cumprido o acordo”, diz a denúncia encaminhada à Subseção da OAB Santarém, com outros detalhes processuais.

No depoimento, feito por ocasião da Audiência de Contestação, a senhora Ivanir Terezinha Luts Brait reconhece que recebeu o valor de 600 reais, em 15 de fevereiro de 2010 e valor de R$ 2.000,00 em 24 de setembro de 2010.  Porém, dona Ivanir é taxativa quando afirma em depoimento não ter recebido o valor de R$ 2.500,00, afirmando que a assinatura no Recibo não é de seu punho (falsificada).

“O carro Fiat estava com Mandato de Busca e Apreensão, por não pertencer ao advogado Wlandre Leal, sim a outra pessoa, que apareceu e processou o referido advogado”, disse Ernon Brait.

Subseção da OAB de Santarém foi informada que o Conselho de Ética instruiu o processo, ouviu as partes envolvidas e encaminhou para o Tribunal de Ética da OAB  Pará, para que haja julgamento e sejam aplicadas as penalidades, podendo resultar até em cassação da Carteira da Ordem do acusado.


Fonte: O impacto

Nenhum comentário:

Postar um comentário