Vacina 2ª Dose

Vacina 2ª Dose

domingo, 22 de julho de 2012

Morre atleta atingido por tabela de basquete

Morreu na madrugada deste domingo o atleta David Henrique Conrado Meira, de apenas 19 anos, ala/pivô da equipe sub-22 do Brasília. O jogador não resistiu aos ferimentos causados pela queda de uma tabela de basquete, que despencou sobre seu pescoço durante um treino na quadra da Associação dos Empregados da Companhia Energética de Brasília (Asceb), no último dia 12.

A informação foi confirmada pela assessoria de imprensa da equipe e pela Liga Nacional de Basquete. Na última quinta-feira, chegou a ser divulgado que o jogador teria falecido, mas o Hospital de Base de Brasília revelou, horas depois, que ele seguia internado na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI), em estado grave.
O acidente ocorreu quando David fez uma enterrada e se apoiou na cesta. Toda a estrutura veio abaixo, caindo sobre seu pescoço. A Polícia Civil abriu inquérito para averiguar se houve negligência na manutenção da quadra e da cesta, um equipamento apto a suportar impactos de mais de 200 quilos e movimentos bruscos de jogadores nas enterradas.
O falecimento gerou comoção dos jogadores profissionais do Brasília. "Infelizmente hoje é um dia triste pra todos nós. Que descanse em paz o garoto David. Meus sentimentos a família!", escreveu o ala Guilherme Giovannoni, em sua página no Twitter. "Vá em paz guerreiro David!! Seu sorriso, sua garra de basqueteiro e a sua intensa luta pela vida ficará marcado em nossos corações!", apontou o ala Arthur, também através da rede social.
Internado no Hospital de Base desde o último dia 13, após o acidente, David era mantido vivo com ajuda de aparelhos e, se sobrevivesse, ficaria tetraplégico. Ele havia sido submetido a traqueostomia e, na terça-feira, passou por uma drenagem no pulmão, devido a uma infiltração de água no órgão. Desde então seu estado se agravou. No último sábado, o Hospital informou uma nova piora em seu quadro, dizendo que o atleta já apresentava insuficiência de múltiplos órgãos.
 
Fonte: O Estadão

Nenhum comentário:

Postar um comentário