terça-feira, 23 de abril de 2013

Tumulto marca paralisação de professores e alunos da Ufopa

Alunos e professores da Universidade Federal do Oeste do Pará (Ufopa) realizaram manifestação na manhã desta terça-feira (23), em Santarém. Estudantes e professores do campus Boulevard voltaram a pedir mais estrutura e a mudança na reitoria da universidade. Semana passada, a manifestação foi no campus Tapajós. Durante a manifestação, houve confusão, pois quem precisou ter acesso à universidade foi impedido.

Cartazes expressaram o pedido dos alunos. Eles são contra a permanência do atual reitor, Seixas Lourenço. Os universitários também acusam a reitoria de falta de diálogo e de monopolizar as decisões tomadas na universidade. O pró-reitor de comunidade, cultura e extensão tentou conversar com os alunos, mas foi vaiado.  

Posicionamento da Ufopa

A Reitoria da Ufopa se pronunciou sobre a tentativa de interrupção das aulas, neste dia 23 de abril de 2013, no Campus Amazônia.  Confira a nota na íntegra:

"Visando dar efetividade ao diálogo que foi aberto entre a Administração da Ufopa e a Direção do Diretório Central dos Estudantes (DCE) desta Universidade, está sendo aguardada, até hoje, a entrega da pauta de reivindicações da representação estudantil, resultante do acordo na última reunião, de iniciativa da Reitoria, no dia 18 de abril passado. Foi então firmado o acordo para a entrega desta pauta na segunda feira seguinte, dia 22 passado. A pauta não foi entregue até a presente data. No entanto, intempestivamente, algumas pessoas, que se identificam como alunos, posicionaram-se no interior das instalações do Campus Amazônia, desligando a energia e tentando impedir a entrada das pessoas, incluindo professores, servidores técnicos e os estudantes, prejudicando parte das aulas em algumas turmas. Os piqueteiros usaram de truculência no sentido de impedir a entrada das pessoas no prédio.

O pedido de audiência com o reitor da Ufopa foi aceito, ficando acordado com o DCE para após a análise da pauta de reivindicações a ser entregue. Portanto, não cabe tal invasão e desrespeito ao direito de ir e vir dos cidadãos de nossa sociedade, fundamento dos princípios democráticos. A Reitoria da Ufopa reitera sua disposição de receber a Direção do DCE, como representação estudantil, conforme o acordo firmado, aguardando a entrega da pauta para análise."

Redação Notapajos com informações de Rômulo D’Castro

Um comentário:

  1. Nota do Centro Acadêmico de Antropologia – em resposta a nota da Reitoria da UFOPA publicada em 23.04.201325 de abril de 2013 12:58

    Nota do Centro Acadêmico de Antropologia – em resposta a nota da Reitoria da UFOPA publicada em 23.04.2013

    Nós, estudantes do curso de Antropologia da Universidade Federal do Oeste do Pará, em um ato de repúdio às injustas palavras do magnífico reitor Dr. José Seixas Lourenço, vimos nos manifestar publicamente. Em virtude de seu domicílio ser em Brasília, talvez vossa senhoria não esteja devidamente informado a cerca do que deveras ocorre em nosso “ambiente de ensino”.
    O senhor nos chamou de piqueteiros. Bem, foram chamados de piqueteiros os argentinos que, na década de 90, levaram a queda um governo ditador. Se é neste sentido que nos denomina, para dizer que somos organizados como movimentos sociais anteriores que assim foram chamados, o senhor está, portanto, mais do que certo. Pois, da mesma forma, como ;massa organizada, desejamos a retirada de Vossa Senhoria da Reitoria desta Universidade, bem como de toda a equipe pelo senhor nomeada, a qual não nos representa.
    Agora, não sabemos como o senhor se utilizou do termo “truculência” para tal, pois o senhor chamou de truculento um ato pacífico, cultural, sem nenhum tipo de violência física ou verbal. E mais: ato de direito de todo e qualquer cidadão que, antes de pensar no seu Direito Particular, pensa no Direito Coletivo. Ou será que Vossa Senhoria não sabe o que é Direito Coletivo? Reiterando: o único ato de “violência e confusão” (apontado através de uma mídia local) partiu de um dos Pró-Reitores desta universidade, o qual, agressivamente desrespeitou o direito de manifestação dos alunos. Quanto a truculência do Pró-Reitor, nós temos vídeos que comprove, ao contrário das acusações a nós dirigidas que não são verídicas e dessa forma não pode ser comprovada.
    Os atos ocorridos nas ultimas semanas, não correspondem a ações movidas por sindicatos, conforme dito publicamente por Vossa Senhoria. Lembramos que três destes movimentos foram iniciativas dos alunos vinculados a seus respectivos órgãos de representação estudantil e movimentos sociais. Não temos vínculo sindical em nenhuma esfera. E ainda que tivéssemos, isto não deslegitimaria o ato.
    Não entendemos como o senhor pode chamar de “pretensos alunos” os mesmos que Vossa Senhoria aplaudiu e chamou de “privilegiados” em um dos poucos momentos nos quais o senhor se dirigiu aos alunos em eventos desta universidade. Não é contraditório?
    Os alunos do Instituto de Ciências da Sociedade, instituto do qual fazemos parte, construíram em Assembleia um abaixo-assinado – já protocolado – apresentando inúmeras demandas e manifestando insatisfação com a Reitoria da UFOPA. A fim de informar a sociedade santarena, divulgamos que a “meia dúzia de baderneiros” a qual a imprensa faz referencia possuem um abaixo-assinado que acumulou 538 assinaturas, com nomes e números de matrícula dos “pretensos estudantes”.
    Concluímos pedindo à Reitoria que respeite os estudantes e manifestamos repúdio a forma como uma das emissoras midiáticas de Santarém vêm colaborando para a tentativa de “criminalização” de um movimento estudantil legítimo.

    ResponderExcluir