Vacina 2ª Dose

Vacina 2ª Dose

sábado, 28 de julho de 2012

Sespa dá orientações sobre hepatites no Terminal Rodoviário

No Dia Mundial de Luta contra as Hepatites Virais, lembrado neste sábado, 28, técnicos da Coordenação Estadual de Hepatites Virais da Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa) realizaram uma ação educativa no Terminal Rodoviário de Belém com o objetivo de informar o maior número de pessoas possível em relação aos diferentes tipos de hepatite - com foco nas mais graves, B e C -,  como cada uma é transmitida, quem está sob maior risco, como se prevenir e como tratá-la em Belém ou no interior do Estado.

No Brasil, balanço do Ministério da Saúde aponta que 33 mil casos de hepatites virais são contabilizados todos os anos. O maior número de infecções nos últimos 14 anos é pelo tipo B, totalizando 120 mil casos entre 1999 e 2011. No Pará, o número de casos tem aumentado muito em função dos esforços do governo estadual na busca ativa por pacientes que têm a doença, mas sequer sabem porque não desenvolveram sintomas. Em 2010, foram notificados 3.086 casos de hepatites virais em todo o Estado, dos quais 338 de hepatite B e 184 com hepatite C. Ano passado, foram 269 casos do tipo B e 81 do tipo C.
O Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan) do Ministério da Saúde também informa que, até o dia 23 de julho deste ano, já foram confirmados, só no Pará, 286 novos casos de hepatite B e outros 47 com hepatite C. Estão em tratamento completo das hepatites virais B e C, com o apoio do Ministério da Saúde, 454 pacientes, dos quais 218 para hepatite B e 236 para hepatite C.
A coordenadora estadual de Hepatites Virais, Cisalpina Cantão, conduziu pessoalmente a entrega de kits feitos pela Sespa. Segundo ela, várias ações a nível estadual vem sendo intensificadas desde 2011 por meio de três estratégias com o propósito de reduzir a incidência dos tipos B e C. A primeira delas incentiva o diagnóstico precoce; nesse sentido, mais de dez mil testes rápidos foram feitos em ações itinerantes da secretaria em Belém, Mosqueiro, Salinas, Marabá, Altamira e Capanema e nas comunidades quilombolas em Santana do Arari, ao longo de 2011 e em 2012, durante as duas edições da Caravana Pro Paz Presença Viva, realizadas ainda no primeiro semestre.
Por meio da parceria desenvolvida entre a Sespa e o Hospital Público do Araguaia, em Redenção, em março deste ano foram feitas 279 pesquisas sorológicas para hepatites B, C e D, sendo 239 na aldeia Gorotire-Kayapó e 40 na aldeia Ladeira, ambas em Cumaru do Norte. Denominada de Projeto de Hepatoproteção, essa ação pioneira no Estado teve a assessoria da Coordenação Estadual de Saúde Indígena e Populações Tradicionais e do Distrito Sanitário Especial Indígena (DSEI) deRedenção.
Segundo a médica hepatologista Márcia Iasi, a intenção da Sespa é implantar o projeto em outras regiões, já que a medida deu tão certo em Redenção que pacientes assintomáticos oriundos de regiões próximos já estão fazendo tratamento no próprio município, sem precisar vir a Belém.
A segunda estratégia da Coordenação de Hepatites Virais consistiu na redução da transmissão por outros meios, como a educação sexual e a não utilização do compartilhamento de materiais cortantes, como kit de manicure e lâminas de barbear. Nesse sentido, mais de 20 treinamentos já foram realizados entre a capital e os municípios a fim de capacitar profissionais de saúde e dos salões de beleza sobre a prevenção.
“A terceira tática tem sido a crescente integração com a Coordenação de Imunização da Sespa para ampliar a cobertura vacinal contra a hepatite B”, explica Cisalpina, ressaltando o empenho da parceria mantida com o Laboratório Central do Estado (Lacen), que tem garantido sorologias e biologia molecular para as testagens, e com o Instituto Evandro Chagas, que também faz biologia molecular para Hepatite B, além de sorologia para hepatite Delta e todo apoio com pesquisa clínica na área.
Rede
A porta de entrada para quem quiser se proteger das hepatites é a Unidade Básica de Saúde, seja para a vacinação ou para o teste rápido. Caso o usuário do Sistema Único de Saúde (SUS) receba a notícia de que é portador de um dos tipos graves da doença, é encaminhado para locais de tratamento que já são referência no assunto.
Atualmente, constituem polos de atendimento a pacientes de hepatites no Pará a Fundação Santa Casa de Misericórdia, o Hospital de Clínicas Gaspar Viana e o Hospital Universitário João de Barros Barreto. Com a iniciativa da Coordenação de Hepatites a partir de 2011, o serviço avançou para o interior e agora é oferecido nos Centros de Testagem e Aconselhamento (CTAs) em Santarém, Altamira, Marabá e Parauapebas e nos hospitais regionais de Redenção e de Tucuruí. Está em fase de implantação o polo localizado na Unidade de Referência Especializada em Doenças Infecciosas e Parasitárias Especias (Uredipe), em Belém. Boletim Epidemiológico sobre as hepatites no Brasil e no Pará já está disponível no site: http://www.aids.gov.br/pagina/publicacoes

Fonte: Agência Pará de Notícias

Nenhum comentário:

Postar um comentário