quarta-feira, 14 de junho de 2017

Caos na saúde em Santarém provoca reação de Valdir Matias Jr

Eleito em outubro de 2016 para resolver os problemas de Santarém, inclusive os da área da saúde pública, o prefeito Nélio Aguiar (DEM) demonstra muita dificuldade na gestão diante dos assuntos relacionados à sua administração. Recentemente, o prefeito anunciou que entregaria à responsabilidade ao Estado, o serviço de hemodiálise que estava sob os cuidados da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa). 



Alegando benefícios para os pacientes, o gestor, durante uma entrevista à imprensa, na tarde da última segunda-feira (12), reafirmou que o município não tem condição de assumir essa responsabilidade e nem de manter a gestão da hemodiálise, além de que, segundo ele, ‘há necessidade de ampliação do serviço, de aquisição de novas máquinas de hemodiálise, de atender a demanda que existe na região’.


Durante ainda esta entrevista, o prefeito fez outro anúncio: um projeto de lei propondo um novo modelo de gestão dos serviços de saúde do município por uma Organização Social (OS). O projeto foi encaminhado à Câmara de Vereadores para ser discutido e votado. Na sua justificativa, Nélio disse que os problemas enfrentados hoje são de gestão própria. Ele tomou como exemplo, a gestão do Hospital Regional do Baixo Amazonas, que é administrado por uma OS e, de acordo com ele, na prática, funciona bem. 

Na sessão desta terça-feira (13), a Câmara de Vereadores promoveu uma sessão de tribuna livre e a terceirização dos serviços de saúde pública do município foi o assunto central dos debates. Representantes da Prefeitura, do Conselho Municipal de Saúde, sindicatos da categoria e o público em geral, participaram da sessão. 

O vereador Valdir Matias Jr. (PV), durante sua fala, lamentou a ausência do secretário de Saúde de Santarém e da representante do 9º Centro Regional de Saúde Pública (9ºCRS), além do secretáro de Estado de Saúde, pois se tratava de um assunto importante para os interesses da população, que tanto sofre por conta da precariedade dos serviços de saúde no município.

Valdir disse que a gestão da saúde pública piorou no governo do prefeito Nélio. “Falta medicamentos no Pronto Socorro Municipal, falta mais médicos e funcionários nas unidades de saúde, falta simplesmente tudo. Nesses cinco meses de governo, o setor se transformou em um caos e muita gente que depende do serviço público padece nas filas, nos corredores, à espera de um atendimento digno. Dizer que a saúde melhorou nestes últimos meses é desconhecer totalmente a realidade atual que Santarém enfrenta neste setor”, disse o líder do PV na Câmara.

Para ele, com o anúncio de terceirização, o prefeito Nélio Aguiar mostra que não tem interesse em resolver os problemas do município, mas se livrar deles. “Há alguns dias, ele foi para a imprensa e anunciou que queria se livrar do serviço da hemodiálise. Agora, volta de novo à imprensa e diz que não tem capacidade para cuidar da saúde do município. Uma demonstração de falta de gestão e responsabilidade com a máquina pública, que é dever dele”. 

Matias Jr. afirma que o gestor municipal não pode penalizar a população, passando um problema que é responsabilidade sua resolver, sempre buscando culpa na gestão passada, alegando falta de recursos. “Em cinco meses, o atual governo recebeu R$ 68.164.102,57. Em janeiro foram R$ 7.993.597,99; em fevereiro mais R$ 15.627.895,10; em março foram recebidos R$ 17.927.210,98; no mês de abril R$ 13.307.699,25 e agora em maio, mais R$ 13.307.699,25”, observou o vereador.

Fonte: Ascom Câmara

Nenhum comentário:

Postar um comentário